Plataforma e-commerce: tudo (e mais um pouco) que você precisa saber

Plataforma e-commerce: tudo (e mais um pouco) que você precisa saber

836
0

Se você deseja levar seu negócio para o ambiente online ou quer abrir uma loja virtual, uma das primeiras coisas em que precisa pensar é na escolha da plataforma de e-commerce. Essa é até mesmo uma das principais dúvidas de muitos empreendedores.

De fato, a plataforma vai determinar o funcionamento de toda a loja e, por isso, é tão importante. Inclusive, é comum que os empresários se preocupem muito com o layout do site e se esqueçam dela. No entanto, por mais bonita que a sua loja seja, ela precisa funcionar bem. Do contrário, você vai perder vendas, clientes e, por fim, a sua reputação.

Apesar de parecer complicado à primeira vista, queremos mostrar a você que dá para escolher sim uma plataforma de e-commerce adequada e evitar muitos problemas no futuro. Neste post, vamos contar tudo (tudo mesmo!) que você precisa saber sobre esse assunto. Não perca!

O que é e qual a importância de uma plataforma de e-commerce?

Geralmente, uma loja física tem uma vitrine para expor seus produtos para a venda. Ela também precisa de um balcão e outros móveis, um estoque, um caixa, todo um planejamento, bem como logística e, claro, uma boa gestão.

Isso também acontece no comércio eletrônico, mas de forma um pouco diferente. No meio virtual, os elementos descritos acima são feitos a partir do uso da tecnologia. Ou seja, a plataforma de e-commerce nada mais é do que o ambiente que permite a existência de uma loja no meio virtual.

Em outras palavras, a plataforma consiste em um conjunto de tecnologias digitais que permitem ao lojista dispor seus produtos na internet. É ela que possibilita todas as interações com os clientes, desde a apresentação, passando pelo pagamento até a entrega do produto adquirido. Assim, a partir dessa explicação básica, não é difícil entender a importância da plataforma de e-commerce para montar uma loja virtual.

Como é a partir da plataforma que a loja funciona, quanto melhor ela for, maior será a sua conversão em vendas. Afinal, se ela trava, para de funcionar ou fica indisponível e não completa as ações realizadas pelos clientes, entre outros problemas, certamente, eles não vão comprar mais pelo seu site.

Por isso é tão importante se preocupar com a escolha da plataforma. Para tanto, é preciso se informar bastante antes de contratar um serviço como esse. Por exemplo, uma das primeiras coisas a se saber é que, independentemente do tipo, uma plataforma de e-commerce se divide em duas partes: front-end e back-end. Vejamos cada uma delas a seguir.

Front-end

Front-end é o conjunto de aplicações que fazem interface direta com o usuário. Ou seja, é como a sua loja fica visível para os consumidores, como eles navegam no seu site, escolhem os produtos, colocando-os no carrinho de compras e finalizando os pedidos.

Back-end

Já o back-end são as aplicações que tratam de forma indireta com os clientes. Elas dão suporte ao front-end. Portanto, é tudo que o cliente não vê, como os processos de pagamento e de logística. Inclusive, é dessa parte que fazem parte todos os aportes necessários para a gestão do negócio, como os sistemas responsáveis pelo gerenciamento e ferramentas de análises.

O que uma plataforma de e-commerce precisa ter para ser considerada eficiente?

Até aqui, você já entendeu o que é e por que é importante ter uma boa plataforma de e-commerce. Afinal, sem ela, seu negócio online pode não funcionar como deveria. Mas como identificar um serviço realmente eficiente? O que é preciso saber antes de contratar? Confira!

Design responsivo

Isso significa que a sua loja virtual é capaz de se adaptar aos diferentes formatos de tela dos dispositivos. Ou seja, se uma pessoa acessar o seu site pelo browser do computador, pelo smartphone ou até por um tablet, ela conseguirá visualizar seus produtos e concluir uma compra.

Ter um design responsivo é fundamental, principalmente, se pensarmos o quanto tem aumentado o número de pessoas que compram por dispositivos móveis. Mas, independentemente da preferência e do perfil de cada cliente, o mais importante é que ele tenha uma boa experiência na sua loja e se sinta confortável em retornar para compras futuras.

Requisitos de SEO

Esse é um dos fatores mais importantes para a eficiência de uma plataforma. Basta imaginar que grande parte das compras realizadas atualmente, sobretudo, das lojas virtuais menores, vem das buscas na internet.

Dessa forma, é fundamental que a sua plataforma de e-commerce ofereça mecanismos de otimização de buscas. As chamadas técnicas de Search Engine Optimization (SEO) são hoje a maneira mais eficaz de garantir que os clientes encontrem os seus produtos. Algumas técnicas relevantes são:

  • títulos atraentes e descritivos;
  • palavra-chave na URL da página de cada produto;
  • botões e links para redes sociais e outros sites relacionados;
  • uso de domínio próprio, com o nome da loja;
  • sitemap automático em XML, para indexação de conteúdo;
  • adoção de marketing de conteúdo para negócios, com linkagem interna e externa nos posts, entre outras.

Diversificação de formas de pagamento

A sua plataforma de e-commerce deve ser compatível com diferentes formas de pagamento, como cartões de crédito e débito, boletos bancários e gateways, pois ela precisa atender às demandas de diferentes perfis de clientes.

Cadastro de clientes

Ao retornar ao seu site, se o usuário tiver que preencher novamente todas as informações, ele pode perder tempo e você, um cliente. Portanto, é importante que a plataforma seja equipada com uma base de dados para o cadastro de clientes, de maneira que, apenas com o login, ele possa acessar todas as suas informações, como histórico de pedidos e últimas visitas à loja.

Integração com outros sistemas

Hoje em dia, existem diversas ferramentas que ajudam bastante na administração de qualquer modelo de negócio. Alguns exemplos são os softwares de gestão integrada, de Business Intelligence, o Customer Relationship Manager (CRM), o Google Meu Negócio e o Enterprise Resource Planning (ERP). Assim, o ideal é que a plataforma possa receber esses sistemas, de modo que todos possam funcionar juntos para facilitar a rotina do gestor.

Canais de atendimento

Por fim, um detalhe importante para a eficiência da plataforma de e-commerce é a capacidade de integração com diferentes canais de atendimento. E-mail, chats, bots, formulários, telefones, enfim, o melhor é oferecer o maior número de possibilidades aos clientes para atendê-los o mais rápido possível.

Como escolher uma plataforma e-commerce?

Não basta uma plataforma de e-commerce ser eficiente. A escolha também depende de outros fatores, que envolvem a relação com a empresa fornecedora, os serviços agregados e, claro, o preço. Saiba o que é preciso considerar antes de escolher uma plataforma de e-commerce.

Análise financeira

A primeira coisa a ser avaliada é a questão financeira. Afinal, não adianta contratar a melhor plataforma se não puder arcar com os custos dela. Ou seja, na verdade, a melhor pode ser a que ofereça mais benefícios pelo preço que se pode pagar.

Na prática, dá para fazer essa análise financeira por meio de dois indicadores. O primeiro é o break-even point, ou ponto de equilíbrio, que é o momento em que as vendas da empresa conseguem pagar seus custos, sem a necessidade de novos investimentos. O segundo é o payback, ou retorno, que indica quanto tempo é necessário para que o negócio tenha lucro sobre um valor investido.

Portanto, quanto mais cara for uma plataforma, mais ela vai demorar para dar retorno ou, ao menos, ser paga pelo volume das vendas. Assim, o ideal é fazer uma projeção de quanto tempo seu negócio vai levar para atingir esses indicadores e quanto você tem disponível para realizar o investimento.

Cases de sucesso

Valores como confiabilidade e credibilidade são importantes em qualquer setor. Não seria diferente para a sua plataforma de e-commerce. Antes de contratar, analise a experiência de outras lojas virtuais e quais benefícios elas tiveram. Os próprios fornecedores podem ter cases de sucesso para apresentar.

Da mesma forma, converse com outros lojistas para saber a opinião deles e, se possível, descubra qual é a plataforma dos seus concorrentes. Busque também em blogs e sites especializados. Quanto mais informações você tiver, melhor!

Suporte

Outro ponto importante a ser avaliado na escolha do fornecedor é a capacidade dele em atender às suas demandas. Ele precisa estar sempre disponível e por meio de diferentes canais de atendimento, para tirar dúvidas, orientar sobre a utilização da plataforma e fazer as manutenções necessárias.

Manutenção e atualização

Nem sempre a manutenção deve ser solicitada. Pelo contrário, o ideal é que ela seja feita regularmente para evitar qualquer tipo de problema. Por isso, é muito importante que o fornecedor faça manutenção regularmente.

Além disso, é necessário que sejam feitas atualizações constantes. Afinal, se qualquer mercado se transforma o tempo todo, isso é ainda mais rápido quando se trata de tecnologias para o comércio eletrônico. A plataforma precisa ser atualizada sempre para não ficar obsoleta e ser compatível com os demais componentes, como os softwares integrados.

Personalização

Um ponto pouco considerado por muitos lojistas iniciantes é a capacidade de personalizar a plataforma. Nem todas podem ser alteradas de acordo com as necessidades ou com a identidade visual da loja. Dependendo do tipo e do modelo de contratação, alguns elementos já são predefinidos.

Assim, é importante saber até onde é possível fazer uma personalização em uma plataforma, se esse for o seu caso, pois as menos personalizáveis costumam ser mais em conta, podendo atender muito bem a uma loja mais simples e com menos capacidade de investimento.

Upgrade

Se você tem pouco dinheiro para investir, o ideal é começar com uma plataforma de e-commerce mais simples. Entretanto, isso não quer dizer que sua loja não possa crescer no futuro. É bom destacar que é muito mais complicado trocar completamente.

Portanto, é preciso que a sua plataforma possa passar por upgrades para acompanhar o seu crescimento. Dá para começar com uma configuração mais básica, com layout simplificado e pouca personalização e ir evoluindo aos poucos.

Backup automático

Falamos anteriormente sobre a necessidade de a plataforma ter uma base de dados para manter os cadastros de clientes. Porém, ela também deve ser capaz de reter essas informações, mesmo se ocorrer algum problema. O ideal é que sejam feitos backups automáticos, na nuvem ou em servidores locais, e sempre que o lojista desejar.

Segurança de dados

Além do backup, os dados dos clientes e de toda a loja virtual precisam estar seguros o tempo todo de ataques externos. Assim, a plataforma deve ter a proteção de softwares antivírus e antimalwares, bem como ter outras proteções, como certificados digitais de segurança.

Padrões de qualidade

Existem diversos padrões internacionais de qualidade que podem indicar qual plataforma escolher. Isso pode acontecer por meio do aval de instituições, premiações e até pela reputação da empresa no mercado mundial.

O Gartner, por exemplo, é o maior instituto de pesquisa em tecnologia e avalia diversos critérios para escolher as melhores plataformas. Vale a pena conferir as recomendações dele. Além disso, também é bom dar uma olhada em premiações do e-commerce no Brasil, como as do Ebit, da ABComm e o E-Awards.

Quais são os tipos de plataforma de e-commerce?

Agora que você já sabe tudo que é preciso avaliar na escolha da sua plataforma para loja virtual, também é importante entender que existem diferentes tipos. Cada um deles atende a demandas específicas relacionadas ao tamanho do negócio, aos recursos necessários e à capacidade de investimento. Confira quais são para consultar o seu fornecedor.

Open source

Uma loja virtual open source significa que ela tem um código aberto, ou seja, pode ser baixada e instalada gratuitamente, sem a necessidade de adquiri-la. O fornecedor cuida apenas dos detalhes técnicos, mas não é preciso pagar pela plataforma em si.

Esse modelo tem a vantagem de ter uma instalação mais barata. No entanto, o empresário deve assumir outros riscos, que seriam de responsabilidade da empresa contratada, como a segurança, manutenção, espaço de armazenamento, customização etc.

On-premises

Já no modelo on-premises, é necessário pagar uma licença pelo código usado na programação da plataforma. Assim como no open source, a empresa assume o restante do trabalho de instalação.

A grande vantagem é poder fazer atualizações, uma vez que, no geral, o código é renovado a cada dois anos ou anualmente. Dessa forma, pode-se realizar a manutenção da plataforma de acordo com a evolução da loja. O problema é que esse processo acaba sendo muito caro e, por isso, costuma ser usado por empresas maiores.

Software as a Service (SaaS)

É um dos modelos de tecnologia mais usados hoje em dia. Diferentemente dos modelos anteriores, é possível contratar todos os serviços, como instalação, manutenção e atualização, e não apenas o código, como se fosse um aluguel.

A loja virtual paga uma mensalidade, de acordo com os serviços usados. Inclusive, dá para fazer upgrades conforme o crescimento da empresa. Ou seja, apesar de ser necessário pagar sempre, esse valor pode ser diluído como um custo mensal, sendo correspondente ao lucro obtido.

Low-end

Também funciona como se fosse alugada. A diferença desse tipo de plataforma para loja virtual para a anterior é ser um pouco mais limitada em recursos e, por esse motivo, bem mais em conta.

Acaba funcionando como um sistema preestabelecido, com poucas funções e uma possibilidade mínima de personalização. A vantagem é mesmo o preço muito baixo, sendo que a gestão e as mudanças podem ficar a cargo do próprio dono da loja virtual, tendo em vista a sua baixa complexidade.

High-end

É o tipo mais caro, que permite a maior personalização e inclusão de funcionalidades. Por isso mesmo, é a mais usada por grandes lojas virtuais varejistas, cujos estoques, preços e condições de venda variam o tempo todo.

Nesse caso, tanto o código da plataforma de e-commerce quanto os serviços agregados são de responsabilidade da empresa. É preciso ter uma equipe dedicada de profissionais para a implementação e manutenção, podendo demorar meses para ficar pronta.

Quais são as melhores plataformas existentes no mercado?

A verdade é que existe uma infinidade de plataformas no mercado, desenvolvidas desde as pequenas empresas até as grandes corporações mundiais. Elas podem variar muito de acordo com os modelos apresentados acima, principalmente, de preço. Apesar disso, algumas delas se destacam pela capacidade de inovação e pela credibilidade no mercado.

Por sinal, quando falamos em “melhores” é bom explicar que estamos nos referindo às funcionalidades, aos serviços agregados e pela preferência da maioria dos lojistas pelo mundo. No entanto, é fundamental considerar todos os fatores antes de escolher uma para a sua loja online. Confira abaixo as plataformas de e-commerce que mais se destacam:

Magento

A Magento oferece uma das plataformas mais usadas no Brasil e no mundo. Boa parte da sua popularidade se deve à facilidade de criação de sites. Além disso, também se destaca por ter diversas opções de personalização, bem como ajuda na organização do inventário digital.

Outro detalhe importante é a rapidez no atendimento e assistência técnica aos consumidores. Ela conta ainda com um design responsivo, funcionando bem em qualquer dispositivo.

WooCommerce

Por sua facilidade de integração com o WordPress e a flexibilidade de configuração, a WooCommerce é a plataforma mais utilizada no Brasil. Nela, é possível cadastrar qualquer tipo de produto, gerenciar as campanhas de marketing e promoções, e incorporar diversos meios de pagamento e processos de entrega.

Outro diferencial desta plataforma de e-commerce é a existência de outras duas versões: a 2.5 e a 2.6. Essa última, com mais vantagens, deve substituir a segunda versão, permanecendo como uma das preferidas das lojas virtuais, juntamente com a original.

VTEX

A VTEX é uma das poucas fornecedoras a terem um site em português, até por sua grande inserção no mercado brasileiro. Além de ser otimizada para dispositivos móveis, ela tem como alguns diferenciais a possibilidade de agendar as entregas e a opção de retirada de produtos em loja física.

Shopify

Já a Shopify se destaca principalmente por já oferecer modelos de lojas prontos, facilitando bastante a vida de quem quer começar a vender na internet e ainda não entende muito do ambiente. Ou seja, dá para montar um e-commerce muito rápido e com poucos recursos, sendo uma boa opção para quem quer testar as vendas pela internet.

A plataforma conta com um período de testes gratuito e basta fazer a assinatura se gostar da ferramenta. Com ela, também dá para fazer sites responsivos e até acrescentar o Pixel do Facebook, que permite criar anúncios na rede social de acordo com diferentes públicos.

Prestashop

A Prestashop tem ganhado bastante espaço entre as plataformas e, em breve, deve se tornar uma das preferidas dos lojistas. Isso porque, além de ser uma das ferramentas mais completas do mercado, com diversas funcionalidades já mencionadas, ela conta ainda com uma inteligência artificial que reconhece as preferências dos clientes e oferece novos produtos. Assim, o mecanismo ajuda a aumentar a conversão em vendas e o ticket médio.

Wix

A plataforma Wix já é usada há algum tempo no Brasil para a criação de sites mais simples em diversos modelos diferentes. Há pouco tempo, tem se destacado também a Wix Stores, que permite o desenvolvimento de lojas virtuais.

É bem simples de ser usado e, por isso, é um dos preferidos de quem não tem muito dinheiro para investir. De fácil manuseio, o próprio dono da loja virtual pode criar uma primeira versão, que é gratuita. Caso queira melhorar o site depois de um tempo, basta adquirir alguns plugins e outros recursos pagos.

Opencart

O baixo custo na assinatura dos planos faz dessa plataforma SaaS uma boa opção para pequenas lojas virtuais, mas que ainda querem uma boa quantidade de recursos. Com um aplicativo simples de ser usado, a Opencart consegue oferecer a opção de avaliação de produtos pelos compradores e adicionar diversas formas de pagamento. Outra grande vantagem é a otimização para mecanismos de busca.

Enfim, esperamos ter resolvido as suas principais dúvidas sobre como escolher a sua plataforma de e-commerce. Esse é um passo muito importante para a construção da sua loja virtual, portanto, não deixe de pesquisar e se informar bastante antes de tomar uma decisão. No mais, boa sorte e sucesso no seu novo negócio!

Gostou de aprender mais sobre plataforma de e-commerce? Quer saber mais sobre negócios digitais? Então, veja também nosso vídeo com estas 8 dicas fantásticas para montar uma loja virtual!