(11) 4118-9290 - São Paulo (SP) Clique aqui

REDES

Como abrir uma loja virtual em 17 passos simples e infalíveis

Por Matheus Luvier | 20/01/2021
144
|
0
Como abrir uma loja virtual em 17 passos simples e infalíveis

Cada vez mais, os brasileiros veem no mercado digital um mundo de possibilidades para empreender e conquistar a liberdade financeira. Os números apresentados pelo Movimento Compre&Confie comprovam essa tendência: o número de transações efetuadas em lojas virtuais nos seis primeiros meses de 2020 cresceu 65,7% em comparação ao ano anterior.

Sem dúvidas, esse cenário atrai muitos investidores, que querem aproveitar o mercado digital para criar um negócio consistente. Esse é o seu caso? Se você quer saber como abrir uma loja virtual, está no lugar certo! Aqui apresentaremos um passo a passo para trabalhar com e-commerce. Boa leitura!

Como abrir uma loja virtual em 17 passos

Engana-se quem pensa que basta contratar uma plataforma de e-commerce para sair vendendo muito por aí. É claro que essa etapa é importante para a criação do negócio virtual, mas sozinha não é suficiente. Isso porque o mercado digital tem características próprias, que devem ser levadas em consideração na hora de criar um negócio.

Infelizmente, muitos empreendedores ignoram esse fato e pulam todas as etapas necessárias para um planejamento saudável. Saiba que mesmo que você já tenha experiência com o mercado de vendas tradicional, deverá estudar e se qualificar para abrir um e-commerce, já que esse tipo de vendas requer um conhecimento avançado.

Ou seja: uma loja de rua e uma loja virtual têm diferenças cruciais e conhecê-las é essencial para criar uma empresa consistente e que tenha chances de sobrevivência a longo prazo. Se esse é o seu objetivo, confira os itens abaixo. Neles explicaremos como abrir uma loja virtual e vender muito. Confira:

1. Escolha uma plataforma que ofereça os recursos necessários

Esse é o primeiro passo para quem quer vender online. Existem muitas plataformas de e-commerce disponíveis na internet, no entanto, recomendamos que você contrate uma plataforma completa, que tenha recursos que auxiliem na gestão do e-commerce.

Mas como escolher? Conversando com amigos que trabalham no setor de vendas online, procurando no Google e comparando os recursos. Tenha em mente que o preço importa, afinal, será um custo fixo mensal, mas não deve ser o único requisito levado em consideração na hora de optar pela plataforma.

Na sua pesquisa, veja quais plataformas têm recursos de integração, personalização de layout, relatórios, múltiplas formas de entrega, meios de pagamento variados e soluções de marketing como recuperação de carrinho, newsletter e chat online. Sem dúvidas, essas funções fazem toda a diferença nos resultados da loja e no dia a dia do gestor.

2. Desenvolva uma marca única

A marca da sua loja virtual faz toda diferença para o sucesso do negócio. Isso inclui não apenas o nome, mas também a identidade visual em geral, como o logotipo, as cores, etc. Embora existam aplicativos que criam logotipos em poucos minutos, indicamos que essa decisão seja pensada com um pouco mais de cautela.

Afinal, será a cara da sua marca, não é mesmo? A partir dessas decisões, você poderá personalizar o site com as cores e criar uma identidade nas redes sociais. Quanto mais integrada for a presença da marca nos canais de comunicação, maior será o vínculo com os clientes.

Se você ainda não tem ideia de nomes, símbolos ou cores, vale fazer uma pesquisa nos concorrentes e ver a escolha deles. Mas fica a dica: essa busca serve apenas como inspiração. Sem dúvidas, você poderá ter uma marca muito mais criativa se optar por não copiá-los. 

3. Invista em um domínio próprio

A criação do domínio próprio é outro ponto muito importante para quem quer criar um negócio digital sólido. Mas quais são as vantagens de optar por um domínio próprio? Em primeiro lugar, isso traz mais solidez à imagem do seu e-commerce, que estará em um endereço da web que demonstra profissionalismo.

Além disso, o domínio próprio contribui para um melhor ranqueamento em buscadores de conteúdo como o Google, o que é crucial para conduzir os usuários até a página do e-commerce e aumentar as vendas. E não podemos deixar de lembrar que ao ter um domínio próprio você pode ter um endereço de e-mail personalizado.

O procedimento para registrar o domínio é bem simples: basta acessar o site de domínios como, por exemplo, o registro.br, responsável pela extensão do Brasil, e verificar se o endereço desejado está disponível. Depois disso, terá que preencher um formulário e fazer o pagamento pelo domínio escolhido.

4. Invista em embalagens profissionais para a sua marca

Você já se deu conta que o primeiro contato real do consumidor com a sua marca é quando ele recebe a encomenda no endereço indicado? Antes disso, tudo ocorre mediado por uma máquina! Por isso, vale a pena se esforçar para surpreender o consumidor na hora desta primeira interação fora do virtual.

Você pode ter uma plataforma otimizada, oferecer uma experiência de compra positiva e dispor de um atendimento de excelência, mas tudo irá por água abaixo se na hora de abrir a embalagem, o cliente se decepcionar. Justamente por isso, indicamos que invista em embalagens profissionais para sua marca.

Isso não significa que elas devem ser caras, o que aumenta o valor final do produto, mas que precisam ser seguras o suficiente a ponto de não danificarem o produto – sobretudo quando se trata de itens frágeis. Além disso, embalagens personalizadas com o nome da marca ou com frases criativas contribuem para a satisfação do cliente. 

Veja o que uma embalagem adequada é capaz de fazer:

  • Reduz os custos da empresa 
  • Estreita o relacionamento com clientes
  • Cria uma boa impressão e identidade de marca
  • Promove o valor da marca

5. Escolha um servidor de qualidade

Aqui está outro ponto essencial para quem quer criar um e-commerce consistente, uma vez que a escolha do servidor impacta diretamente na qualidade do trabalho da loja virtual. Você sabe por que? Em resumo, todo site que você acessa está sendo armazenado em um servidor físico localizado em algum lugar.

Na maior parte dos casos, esse servidor é de propriedade de uma empresa de hospedagem na web, que aluga espaço de armazenamento a diversos sites, assegurando que eles ficarão online de forma contínua, sem quedas ou falhas. Mas o que deve ser levado em consideração na hora de escolher o servidor? Veja aqui:

  • Capacitação técnica do prestador de serviço
  • Custo dos planos
  • Segurança
  • Confiabilidade
  • Suporte técnico

6. Escolha um template adequado

Uma das vantagens de optar por uma boa plataforma de e-commerce é a possibilidade de personalizar o template. Embora à primeira vista não pareça necessário, essa configuração faz toda a diferença para a identidade do negócio, o que também se reflete no tempo que os usuários ficam navegando na loja virtual.

Você já deve ter percebido que um e-commerce que vende artigos esportivos tem uma identidade visual completamente diferente de um e-commerce de roupas para bebês, não é mesmo? Provavelmente o primeiro terá cores mais fortes, enquanto o segundo usará tons leves e suaves.

Essa escolha não é à toa: dialoga com o posicionamento do negócio e contribui para que os consumidores percebam rapidamente o propósito da marca. Por isso, a escolha de um template adequado deve ser priorizada na hora de configurar o e-commerce.

7. Defina as formas de pagamento

Aqui está um dos pontos mais pessoais dos consumidores. Cada cliente tem a sua forma preferencial de pagamento e pode, inclusive, deixar de comprar em um e-commerce se não encontrá-la. A escolha do meio de pagamento depende da organização pessoal de cada um e de valores essenciais, como, por exemplo, segurança.

Muitas pessoas não sentem confiança suficiente para comprar com cartão de crédito em comércios eletrônicos e, por isso, preferem optar pelo boleto bancário ou até pela transferência. Ao mesmo tempo, há quem apenas compre com cartão de crédito e, se puder parcelar, melhor ainda!
Como contemplar tantos gostos diferentes? Escolhendo uma plataforma que permita a configuração de muitos meios de pagamento! Assim você não deixará de vender porque não trabalha com determinada bandeira de cartão de crédito ou porque não possui boleto bancário.

8. Faça um planejamento logístico

Quando falamos sobre a logística de um e-commerce, nos referimos a diversos pontos, a começar pelos processos internos do negócio. Todo o fluxo do e-commerce deve ser estruturado da melhor maneira possível, o que confere agilidade entre as etapas. Mas como fazer isso?

Criando um planejamento logístico que envolva o contato com os fornecedores, cadastro e atualização de produtos no site, atendimento ao cliente, conferência de pagamentos e envio ao endereço solicitado. Tudo isso deve funcionar como uma sinfonia, de forma que satisfaça e surpreenda o consumidor final.

Da mesma forma, também é necessário pensar na logística de envio dos produtos que, em geral, fica a cargo dos Correios ou de uma transportadora. Essa decisão depende de muitos fatores, como:

  • Distância geográfica
  • Preço do orçamento
  • Prazo de entrega
  • Dimensões do produto
  • Fragilidade do produto

9. Cadastre os primeiros produtos

Aqui está outra razão para a escolha de uma boa plataforma de e-commerce: de tempos em tempos você terá que cadastrar produtos no e-commerce e, além disso, terá que atualizar as descrições, preços, etc. Essa etapa deve ser feita de forma simples, sem demandar muito tempo para a inclusão de cada item.

Mas no que é necessário pensar na hora de cadastrar os produtos da sua loja virtual? No título que cada um deles terá e na descrição. Em primeiro lugar, o título deve ser sucinto mas, ao mesmo tempo, precisa resumir do que se trata aquele produto. Uma loja de camisetas, por exemplo, pode cadastrar títulos como “camiseta branca gola redonda”, “camiseta branca gola v”, etc.

E o que deve ir na descrição? Essa é uma parte muito importante, pois precisa apresentar todos os aspectos relevantes daquele produto. Sabendo disso, a descrição das camisetas precisa falar sobre o tipo de tecido, indicações de lavagem, medidas, cor, tipos de cortes e tudo mais que for essencial para o cliente optar ou não pelo item.

10. Faça a divulgação da loja virtual

Quando falamos que uma loja virtual tem grandes diferenças de uma loja física, não estamos exagerando. Sem dúvidas, a necessidade de divulgação do e-commerce é um dos pontos que mais diferencia as duas modalidades de vendas, já que a loja virtual precisa necessariamente investir em publicidade e marketing digital.

Uma loja física pode simplesmente abrir as suas portas e esperar que as pessoas que estão passeando pela rua entrem. No entanto, uma loja virtual não tem essa possibilidade. Sabendo disso, podemos dizer que criar um e-commerce e não fazer publicidade é como vender de portas fechadas. Impossível!

Essa divulgação pode ser feita em uma série de canais diferentes, como redes sociais e buscadores de conteúdo. Sem dúvidas, o Google é o principal responsável por conduzir os usuários até a loja virtual, incrementando os rendimentos do negócio.

11. Garanta o ERP para sua loja

Você já ouviu falar em ERP? Esse é um sistema de integração entre ferramentas digitais que simplifica a rotina do gestor do e-commerce e deixa os dados muito mais assertivos. Ao invés de recorrer a planilhas e controles manuais, o empreendedor pode centralizar todas as informações no ERP.

Esse sistema permite, por exemplo, a emissão de boletos bancários de forma automática, sem que uma pessoa tenha que fazer o procedimento de forma individualizada. Além disso, também controla o estoque e gere as notas fiscais eletrônicas, reduzindo o risco de erros humanos. Veja as vantagens desse sistema:

  • Tem custo acessível
  • Automatiza os processos
  • Contribui para a agilidade 
  • Aumenta a assertividade dos dados
  • Disponibiliza informações para análise

12 Mensure a qualidade do seu Público

Uma loja virtual depende dos clientes para vender e crescer no mercado digital, e isso deve ser pensado muito antes da inauguração do e-commerce. Na verdade, o público que a loja vai atender deve ser estudado ainda na fase de planejamento do negócio, quando são tomadas as decisões que envolvem o produto e o segmento de mercado.

Muitos empreendedores acreditam que, pelo e-commerce alcançar o país inteiro, podem focar em todos os públicos. No entanto, isso é um erro muito grande e que prejudica o posicionamento do negócio. Saiba de antemão: é impossível uma loja virtual focar em todos os tipos de consumidores.

Pelo contrário: quanto mais específica for a sua área de atuação, mais chances você tem de atender pessoas que realmente precisam e valorizam o produto que você vende. E é claro, de tempos em tempos veja os números gerados pelo seu e-commerce e avalie se você está dialogando e vendendo para as pessoas certas.

13. Obedeça a Legislação para Montar uma Loja Virtual

Obedecer a legislação é um ponto essencial para quem quer criar um negócio digital que tenha chances de se consolidar e de crescer. Embora não exista uma exigência legal para que os vendedores de e-commerce tenham uma empresa aberta, recomenda-se a criação de um CNPJ, que torna o negócio mais profissional e sério.

Uma alternativa para quem decide empreender é optar pela modalidade Microempreendedor Individual.  O MEI é direcionado para profissionais que faturam até R$ 81.000 anuais, sendo uma possibilidade interessante para vendedores de pequeno ou médio porte. 

Além disso, todo comércio eletrônico deve cumprir algumas regras, como: 

  • Divulgar a razão social e o CNPJ ou o nome completo e o CPF;
  • Informar endereço eletrônico e físico da loja;
  • Disponibilizar informações claras e precisas sobre os produtos comercializados

14. Faça todas as verificações de Segurança

Muitas pessoas têm medo de fazer compras em comércios eletrônicos desconhecidos – e a razão disso é totalmente compreensível. Para realizar as encomendas, será necessário disponibilizar dados pessoais, como nome completo, telefone, endereço e o número de cartão de crédito. 

Uma maneira de passar mais confiança aos consumidores é cumprindo todos os protocolos de segurança do e-commerce, a começar pela escolha da plataforma, que precisa ser absolutamente segura. Além disso, existem outras formas de agregar segurança ao seu ambiente de vendas online. Veja aqui: 

  • Opte por uma plataforma de e-commerce segura
  • Proteja o seu domínio
  • Tenha um canal de contato ativo com os seus clientes
  • Escolha uma plataforma de pagamento segura
  • Tenha um sistema antifraude

15. Monte uma boa equipe de Atendimento ao Cliente

O atendimento ao cliente é um dos pontos que mais contribui para a satisfação dos consumidores, que se reflete também na sua vontade de voltar a fazer compras no e-commerce. Sabendo disso, dedique-se a ter uma boa equipe de atendimento e, mais do que isso, a orientar esses profissionais sobre a forma como devem conduzir o atendimento.

Lembre-se que todo o contato com o consumidor deve buscar a excelência, o que inclui também a etapa de pós-vendas, geralmente esquecida pela maior parte dos vendedores digitais. O consumidor que quer devolver ou trocar um item deve e merece ser bem atendido. 

No entanto, o que se vê por aí é o oposto: muitos empreendedores focam todos os esforços para a pré-venda e para a venda e esquecem desta última etapa, abandonando o cliente que precisa de auxílio. Essa é uma falha grande que pode, inclusive, conduzir a marca para uma crise de imagem. 

16. Invista em Marketing para Loja Virtual

Todas as lojas virtuais precisam investir em marketing digital. Já falamos que a estrutura do e-commerce é diferente da estrutura das lojas físicas, que podem simplesmente abrir as suas portas e esperar que os clientes entrem. Uma loja virtual necessariamente precisa criar ações para atrair os usuários até o ambiente de vendas.

Mas como fazer isso? Existem muitas formas, como, por exemplo, a criação de perfis fortes em redes sociais como Facebook e Instagram. A presença da marca por lá serve para vender mas, principalmente, para aumentar o vínculo com possíveis clientes.

Outra maneira muito eficiente de anunciar é a partir do Google, que tem uma série de soluções para os vendedores digitais. Esse é o maior buscador de conteúdo digital, o que significa que muitos usuários interessados em encontrar produtos online fazem as suas pesquisas por lá.

17. Organize a Operação para a Loja Virtual Funcionar

Por fim, mas não menos importante, organize toda a operação antes da sua loja virtual entrar no ar. Não espere as primeiras encomendas para decidir como será o fluxo de trabalho entre todos os setores do negócio.

Pelo contrário: deixe tudo organizado com antecedência, assim quando vierem as primeiras encomendas, você já conseguirá manter um fluxo satisfatório entre a gestão de fornecedores, pagamento, logística, etc. É claro que com o tempo poderá ser necessário fazer ajustes, mas tente já prever possíveis erros, reduzindo o risco de perder novos clientes.

Conheça os Custos para Montar uma Loja Virtual

Agora que você já sabe tudo o que deve pensar na hora de criar um e-commerce, deve estar pensando nos custos que esse trabalho envolve. Antes de mais nada, saiba que abrir uma loja virtual é muito mais barato do que abrir uma loja de rua, já que não é necessário arcar com o aluguel do ponto de venda físico. 

Ainda assim, esses valores são muito variáveis, uma vez que dependem do tipo de produtos que a marca vai vender e o tipo de serviço que vai contratar. A seguir, veja a lista com os principais pontos que devem ser pensados na hora de mensurar os custos mensais:

  • Plataforma do e-commerce – R$ 48,75 a R$ 197,50
  • Registro do domínio – R$ 30 a R$ 45 
  • Estoque inicial – R$ 1.500 a R$ 3.000
  • Capital de giro – R$ 3.000 a R$ 30.000

Materiais de apoio para abrir a sua loja online

Deu para ver que é necessário pensar em muitos itens antes de começar a vender online, não é mesmo? Mas não se assuste: com planejamento e estudo é possível criar um negócio sólido e consistente. A seguir, veja os materiais de apoio gratuitos que podem ajudá-lo a entender como abrir uma loja virtual: 

8 dicas fantásticas para montar uma loja virtual

Planilha de Análise da Concorrência

6 erros de quem anuncia no Facebook

Por que usar e-mail marketing na sua loja virtual

SEO para loja virtual

Como escolher nome da loja virtual

Matheus Luvier

Posts relacionados