(11) 4118-9290 - São Paulo (SP) Clique aqui

REDES

Margem de contribuição: como calcular? Use para formar preço

Por Marcio Eugênio | 27/12/2019
7557
|
0
Margem de contribuição: como calcular? Use para formar preço

A ideia de ter preços competitivos é antiga. Mas você já parou para pensar em ter preços com margens melhores? O contexto do varejo vem mudando muito com a visibilidade das mídias sociais intermediado por plataformas de e-commerce. 

Quando você administra uma empresa, é obviamente importante entender como a empresa é lucrativa. Muitos líderes analisam a margem de lucro, que mede o valor total pelo qual a receita das vendas excede os custos. 

Mas se você quiser entender como um produto específico contribui para o lucro da empresa, é necessário observar a margem de contribuição. Neste artigo, ensinaremos você a Como calcular a margem de contribuição? Veja aqui como usar para calcular preços e descubra qual é a margem ideal para o seu negócio!

O QUE É MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO?

Considerar a margem de contribuição como forma principal de formar preços é a melhor estratégia. Margem de contribuição é seu lucro real da venda. Depois de descontar custos e despesas variáveis, é ela que mostra o que sobra da venda.

Margem de contribuição = Valor de venda – Custos e Despesas variáveis diretas do produto (impostos, comissões, taxas).

No contexto de crise, o que acontece? Períodos de baixa demanda. E o que boa parte dos comércios fazem? Baixam seus preços para ficarem competitivos e sobreviverem em quantidade de vendas.

Porém, baixar preços pode estar consumindo seu lucro e até, se baixar muito, não cobrindo seus custos. Gerenciar margens é a melhor prática. Pois mesmo baixando ou aumentando, você continua a lucrar e a cortar custos diretamente relacionados a venda.

QUAL A DIFERENÇA ENTRE MARGEM UNITÁRIA E TOTAL?

A análise da margem de contribuição ajuda os gerentes a tomar vários tipos de decisões, desde adicionar ou subtrair uma linha de produtos a como precificar um produto ou serviço até estruturar comissões de vendas. Vamos saber o que é margem unitária e margem total e se há diferença entre elas.

MARGEM UNITÁRIA

A margem unitária, também denominada margem de contribuição unitária, reflete o custo incorrido para produzir e vender uma determinada unidade de produto. É o lucro obtido por unidade após dedução dos custos de fabricação ou embalagem do produto e despesas variáveis ​​de venda do preço de venda do produto. 

A margem de contribuição unitária é o que resta após subtrair todos os custos variáveis ​​atribuídos especificamente a uma única unidade de venda, seja produto ou serviço, das receitas associadas aos produtos. Em termos simples, a margem unitária é o preço unitário menos o custo unitário.

MARGEM TOTAL

O índice de margem total é uma ferramenta conveniente para medir a lucratividade geral de uma organização. É simples de calcular, requer dados prontamente disponíveis e pode comparar grandes e pequenas organizações em condições de igualdade.

No entanto, o índice de margem total não considera outras atividades, como investimentos e dívidas. Isso limita sua utilidade na análise da saúde fiscal de uma empresa, a menos que seja apenas uma das várias métricas usadas por um analista.

Chegamos no ponto de saber se existe diferença entre margem unitária e total. A primeira refere-se aquela margem calculada de produto a produto. E a segunda, é a média do faturamento.

Essa medida unitária pode ser bastante útil, porque indica ao gerente quanto lucro ela obterá por cada unidade vendida além do ponto em que a empresa está no ponto certo. A margem total de contribuição também é útil. 

A diferença é se  a contribuição total for maior que as despesas fixas da empresa, ela será lucrativa; se for menor que as despesas fixas da empresa, a empresa sofrerá uma perda. Apenas calculando a margem de contribuição, o gerente pode determinar rapidamente alguns dos pontos mais críticos ao longo do espectro da lucratividade.

PARA QUE SERVE UMA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO?

A análise da margem de contribuição ajuda os gerentes a tomar vários tipos de decisões, desde adicionar ou subtrair uma linha de produtos a como precificar um produto ou serviço até estruturar comissões de vendas.

O uso mais comum é comparar produtos e determinar quais manter e quais se livrar. Se a margem de contribuição de um produto é negativa, a empresa está perdendo dinheiro com cada unidade que produz e deve abandonar o produto ou aumentar os preços. Se um produto tiver uma margem de contribuição positiva, provavelmente vale a pena mantê-lo. 

A margem de contribuição reflete a lucratividade da empresa em cada unidade vendida. Para calcular a margem de contribuição, as despesas variáveis ​​são subtraídas da receita de cada unidade ou da venda total de produtos. Gastos variáveis ​​são aqueles que aumentam ou diminuem com a produção ou a produção.

QUANDO USAR A MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO?

Esse método é frequentemente usado como um método rápido para responder perguntas sobre como diferentes ações podem afetar o volume de vendas da empresa, níveis de custo ou lucratividade geral. A técnica é certamente útil; no entanto, é importante reconhecer que também tem suas limitações.

COMO SABER QUAL É A MARGEM IDEAL PARA O NEGÓCIO?

Ao determinar se uma empresa possui uma boa margem de lucro, é preciso ponderá-la contra a média de outras empresas no mesmo setor. Alguns setores, como serviços contábeis e jurídicos, têm margens de lucro naturalmente mais altas porque exigem muito pouco esforço (contando com profissionais treinados e não com equipamentos caros).

Em todos os casos quanto maior o número (comparado ao padrão do mercado da empresa), mais confiança os investidores terão, porque o número é um reflexo direto de como os negócios estão sendo operados e as despesas estão sendo gerenciadas.

MARGENS DE LUCRO MAIS ALTAS TAMBÉM SÃO IGUAIS A LUCROS MAIS ALTOS 

Também é importante comparar as margens de lucro de uma empresa com os anos anteriores, para ver se as tendências estão se desenvolvendo e se as reduções estão se tornando a norma. 

No entanto, se as margens de lucro estiverem aumentando ano após ano, esses números poderão ser usados ​​para atrair investidores.

É importante ressaltar que, ao calcular margens de lucro, as margens de lucro operacional e as margens de lucro líquido são considerados os números mais importantes, pois levam em consideração as despesas. 

Embora as margens de lucro bruto dêem uma idéia geral da lucratividade de uma empresa, não se deve confiar nela ao tomar decisões de negócios.

COMO CALCULAR A MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO?

A margem de contribuição de uma empresa – também chamada de margem bruta – é o dinheiro remanescente das vendas após o pagamento de todas as despesas variáveis ​​associadas à produção de um produto. 

Subtrair despesas fixas, como aluguel, aluguel de equipamentos e salários da sua margem de contribuição, gera sua receita líquida ou lucro.

Sua margem de contribuição é calculada tomando:

Receita do produto gerada – custos variáveis ​​do produto/receita do produto gerada. Portanto, se uma empresa gerasse R$ 250.000 em vendas de produtos, que tinham custos variáveis ​​associados de R$ 100.000, a margem de contribuição seria:

250.000 – 100.000 / 250.000 = 0,60 ou 60%

FÓRMULA DE MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO

A margem de contribuição total (CM) é calculada subtraindo o total de custos variáveis  do total de vendas e a sua fórmula geral é:

MC = PV – CV

Onde temos:

MC – Margem de Contribuição;

PV – Preço de Venda;

CV – Custo variável do produto.

Dessa forma, a margem corresponde ao que vai “sobrar” do seu preço de venda, depois de subtrair os custos e despesas variáveis (matéria-prima, tributações) do produto. O valor resultante será o lucro bruto da venda e deve ser aplicado com a finalidade de quitar os custos e as despesas fixas.

COMO FORMAR PREÇOS USANDO MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO?

Para que fique mais claro que água, vamos dar um exemplo prático para você. Segue uma situação hipotética:

A empresa X vende uma cadeira por R$ 140,00. Considerando um gasto variável de R$ 110,00 (custos relacionados a venda e a compra), qual o meu lucro real?

Preço de Venda = R$ 140,00

(-) Custo Variável = R$ 110,00

(=) Margem de Contribuição = R$ 30,00

Índice da Margem de Contribuição: 21,42%

O que acontece então se eu usar margem de contribuição como técnica principal? As vantagens vão desde ajudar a você, gestor, a encontrar mercadorias de margens melhores, tomar decisões de manter ou abandonar produtos até avaliar redução descontos e gestão de preços.

TÉCNICAS DE PRECIFICAÇÃO

O preço é um aspecto muito importante do marketing. As empresas atacadistas também precisam selecionar as estratégias de preços que lhes permitam crescer e expandir a longo prazo. 

Como você precifica seus produtos e serviços pode realmente determinar se o seu negócio de atacado permanecerá aberto ou fracassará devido a baixos retornos e possível falência.

Antes de tudo, como você precifica seus produtos? Utiliza markup? Olha seus concorrentes? Usa sua experiência? Existem algumas técnicas de precificação:

MARKUP

Refere-se ao valor agregado ao preço de custo de um produto. O valor adicionado é chamado de marcação. A margem adicionada ao preço de custo geralmente é igual ao preço de varejo.

Usa a simplicidade de analisar custos vinculados ao produto e utiliza uma projeção de, por exemplo, duplicar isso. Porém, perigoso pois esses 50% a mais não necessariamente representam seu lucro.

VALOR PERCEBIDO

O valor percebido é a avaliação dos méritos de um produto ou serviço pelos clientes e sua capacidade de atender às suas necessidades e expectativas, especialmente em comparação com seus pares. 

Os profissionais de marketing tentam influenciar o valor percebido de um produto pelos consumidores, descrevendo os atributos que o tornam superior à concorrência.Já ouviu falar da Apple? 

Eles usam essa técnica. No caso de produtos inovadores, é bem complicado formar preços. Nesse caso, se utiliza o quanto o cliente vê de valor no seu produto. Diante disso, você varia preços, normalmente começando por alto, até chegar no preço ideal. É uma técnica arriscada porque o cliente pode não aceitar o preço estipulado.

ANÁLISE DE CONCORRÊNCIA

Essa é bem comum. Quase todos os lojistas olham a grama do vizinho para ter uma base para formar seus preços. Errado? Não. Mas já parou para pensar que o concorrente pode ter custos diferentes? Estratégia de crescimento diferentes? Prazos de venda diferentes?

Eu uso algumas delas, então não estou errado né? A ideia aqui é entender que não existe errado ou certo. Existem completo e incompleto. Todas acima fazem parte do processo de precificação do produto. 

Porém, grande parte dos diversos ramos de varejo esquecem de analisar o que realmente importa no final, a margem de contribuição.

Portanto, quer fazer da forma mais assertiva seus preços? Então comece a analisar suas margens de preço de venda. Depois de conhecer tudo sobre a margem de contribuição, que tal saber mais sobre Como ser um pequeno empreendedor? [GUIA COMPLETO]

Marcio Eugênio

Marcio Eugênio é especialista em e-commerce, com mais de 13 anos de experiência na área, e sócio-fundador de três empresas focadas em e-commerce. É colunista em diversos portais relacionados a comércio virtual, administração e empreendedorismo, além de contar com vasta experiência em comércio eletrônico. Foi eleito em 2016 como o melhor profissional de e-commerce pela Abcomm, através de votação popular, e é apresentador do maior canal focado em e-commerce do Youtube no Brasil. O Projeto mais recente de Loja virtual é a https://www.monnieri.com.br/ que saiu do zero a um milhão de reais de faturamento em menos de dois anos.

Posts relacionados