Receber pagamento online: conheça as 8 melhores formas

Receber pagamento online: conheça as 8 melhores formas

2897
0

Quem trabalha com comércio eletrônico sabe que uma das partes mais críticas da gestão do e-commerce se refere aos meios de pagamentos. Não adianta ter o melhor produto, a melhor plataforma e o melhor preço, se na hora de pagar o processo não é eficiente.

Ter um sistema lento ou que dá erro pode fazer com que o cliente desista da compra. Além disso, é preciso oferecer métodos de pagamentos variados, para que um cliente não deixe de comprar porque não encontrou a opção de pagar com boleto, por exemplo. 

Você tem muitas dúvidas a respeito dos métodos de pagamento para a sua loja virtual? Preparamos esse material bem completo com muitas explicações sobre como receber pagamento online. Boa leitura! 

QUAIS SÃO OS MEIOS DE PAGAMENTO OBRIGATÓRIOS PARA E-COMMERCE?

Os meios de pagamento ideais para cada e-commerce variam conforme o nicho de atuação. No entanto, vale saber que a maior parte das vendas feitas pela internet são pagas pelo cartão de crédito. Por isso, procure incluir essa forma de pagamento em seu negócio. 

Existem duas formas de fazer isso: trabalhando com intermediadores de pagamento (como Pagseguro e Paypal) ou contratando direto as operadoras. Em geral, a vantagem do sistema de intermediação de pagamento é a redução dos custos fixos, que representam um gasto oneroso para o e-commerce. 

COMO RECEBER UM PAGAMENTO INTERNACIONAL NO E-COMMERCE?

Muitas pessoas que trabalham com e-commerce têm dúvidas se é possível receber pagamento online vindo do exterior. A boa notícia é intermediadoras de pagamento como o PayPal trabalham com esta modalidade. A única questão é que cobram taxas mais altas para este tipo de operação.

Mesmo assim, a alternativa é vantajosa para um gestor de e-commerce receber pagamento online, já que o PayPal tem boa reputação e pode ser um fator decisivo na hora do consumidor internacional finalizar a compra e efetuar o pagamento. 

8 MELHORES FORMAS DE RECEBER PAGAMENTOS ONLINE

Se você conhece um pouco do universo online, deve saber que existe uma infinidade de alternativas de pagamento. São tantas opções que às vezes até bate aquela dúvida sobre qual escolher. A verdade é que cada forma de receber pagamento online atende a uma necessidade diferente. 

Vale ponderar que quanto mais opções de pagamento um e-commerce oferece, maiores serão as chances de um consumidor decidir comprar da loja virtual. Pensando nisso, vamos apresentar para você os 8 principais meios de pagamento online e comparar as vantagens e as desvantagens de cada um deles! Veja como receber pagamentos pela internet: 

1. CARTÃO DE CRÉDITO E DÉBITO

Essa é a forma de pagamento preferida dos clientes e dos lojistas. Isso porque é a que tem a comprovação mais rápida, uma vez que o contato com a operadora costuma ser simples. Além disso, oferece mais segurança para os dois lados e é bem cômoda para os clientes.

Outra vantagem é a grande diversidade de bandeiras, como MasterCard, Visa, HiperCard, American Express, Elo, etc. Para atender um grande número de clientes, é importante que a loja virtual se preocupe em aceitar o maior número de redes possíveis. 

No entanto, como muitas pessoas não têm cartão de crédito ou têm receio de usá-lo, é fundamental que o e-commerce também tenha outras opções para receber pagamento online. Nesse ponto, a compra por cartão de débito pode ser uma boa aliada. 

VANTAGENS

CUSTO VARIÁVEL BAIXO

Dependendo do contrato firmado e e do volume mensal de vendas, as operadoras de cartão de crédito cobram do lojista taxas por transação de 3% a 4.5% em cima do valor da venda. O número é baixo se comparado a outros métodos de pagamento.

POSSIBILIDADE DE PARCELAMENTO SEM JUROS COM MENOR CUSTO

Muitas vezes, uma boa condição de pagamento é o que faz os consumidores concretizarem uma compra. Para nós, brasileiros, a condição mais atraente é, sem dúvidas, a famosa “X vezes sem juros”. 

A contratação de cartão de crédito direto com a operadora é a melhor forma de oferecer esse parcelamento aos clientes. Outros sistemas de pagamento também possibilitam essa condição, mas as taxas variáveis se tornam praticamente inviáveis.

Vale lembrar que com meios de pagamento próprios você pode oferecer parcelamento sem taxas variáveis extras, porém o recebimento acontecerá de forma parcelada. Isso aumenta seu prazo médio de recebimento, o que exigirá um controle maior no fluxo de caixa.

MAIOR FACILIDADE PARA OS CLIENTES EFETUAREM O PAGAMENTO

No Brasil, a média de abandono do carrinho gira em torno de 57%. Grande parte dessa taxa está relacionada às dificuldades no processo de compra/pagamento ou à sensação de insegurança dos clientes. Redirecionar o cliente para outro site e/ou obrigá-lo a fazer mais um cadastro são situações que, sem dúvida, não ajudam na redução disso.

Oferecer formas de pagamento direto com bancos e com operadoras de cartão de crédito pode ser uma alternativa para reduzir o abandono de carrinho do e-commerce. Em geral, lojas virtuais que trabalham com o pagamento direto incentivam que os consumidores comprem. 

ADIANTAR RECEBIMENTOS

Muitos bancos oferecem a possibilidade de o lojista adiantar recebimentos por uma taxa atraente. Essa alternativa é focada em quem está precisando de dinheiro e tem valores a serem recebidos das suas vendas. 

Alguns bancos fazem esse adiantamento por juros de 0,9% a 1,5% para cada 30 dias de antecipação. Adiantar recebimentos do cartão é uma alternativa barata quando comparada a outras formas de financiamento, onde os juros podem ser 3 ou 4 vezes maiores.

DESVANTAGENS

CONTRATOS, BUROCRACIA E DEMORA

Muitas vezes, o sucesso de uma loja virtual está relacionado com o momento em que ela entra no ar: quanto mais rápido, melhor. No entanto, fazer os contratos com as operadoras pode prejudicar esse “momento certo”.

O processo de cadastro com as operadoras já foi mais demorado, mas ainda é muito mais lento do que efetuar um cadastro em um sistema de intermediação de pagamento. Além disso, é fundamental ter um CNPJ para conseguir realizar o contrato. 

Uma boa notícia é que o governo tem dado uma grande ajuda para quem quer começar a empreender ou quer se formalizar com o programa Microempreendedor Individual, que possibilita a obtenção de um CNPJ de forma rápida, fácil e barata.

CUSTOS FIXOS OU INVESTIMENTO INICIAL ALTO

Se você utiliza plataformas de código livre ou gratuitas, terá mais custo para oferecer meios de pagamento diretos, já que será necessário contratar um gateway de pagamentos ou comprar módulos que permitam que a sua loja se comunique com as operadoras. 

Outro ponto que também precisa ser levado em consideração é que algumas operadoras cobram taxas mensais para permitir que a sua loja virtual ofereça meios de pagamento através delas. No mundo físico, isso seria equivalente  ao aluguel da máquina de cartão de crédito.

RISCOS DE FRAUDE E CHARGEBACK

Quem lê os contratos com as operadoras de cartão de crédito para vendas online não assina, pois basicamente todo o risco fica para o dono loja virtual. Por isso é importante que o administrador da loja tenha um contrato, mesmo que básico, com uma empresa de análise de risco. 

Além disso, o comércio eletrônico deve adotar um processo, mesmo que simples, para validação e análise das vendas feitas por cartão de crédito. Isso dará mais segurança para o gestor do e-commerce. 

2. BOLETO BANCÁRIO

Essa também é uma forma muito tradicional de pagamento, principalmente quando se trata de compras com valores baixos. Para usá-la, é preciso contratar o serviço de um banco, que fará a emissão do boleto. Algumas contas empresariais já incluem essa modalidade.

A principal vantagem, tanto para o cliente como para o lojista, é a garantia de pagamento à vista. O boleto é um método bastante seguro, no qual o dinheiro já entra na conta da empresa assim que é verificado.

No entanto, a confirmação desse processo pode demorar um pouco, além do fato de não ser possível fazer o parcelamento da compra. Por esses motivos, muitas pessoas têm preferido o cartão de crédito.

3. DEPÓSITO

O depósito era uma maneira de receber pagamento online usada nos início do e-commerce no Brasil. Porém, com a ocorrência de golpes, acabou deixando de ser recomendada. Mesmo assim, algumas lojas virtuais que estão começando as operações e alguns vendedores do Mercado Livre ainda a utilizam.

No entanto, a transferência bancária não é uma das melhores formas de pagamento para loja virtual, seja pela demora na confirmação do pagamento, seja pela falta de confiança e de segurança transmitida para os clientes.

4. DÉBITO EM CONTA

Essa modalidade é um pouco parecida com o pagamento com cartão de débito. Mas, neste caso, é usado o número da conta, e não o do cartão. Ou seja, trata-se de uma transação à vista, mediada pelos bancos e bastante segura.

Como o débito em conta precisa de autorização dos bancos e, às vezes, até de um convênio, é mais usado para a quitação de serviços recorrentes. É o caso das mensalidades de serviços como a Netflix, que podem ser pagas desta maneira ou através de cartões de débito e de crédito. 

5. GATEWAY DE PAGAMENTO

Existem diversos tipos de gateway de pagamento, como o Vindi, Bcash, Moip e o Aceita Fácil. Trata-se de uma aplicação integrada ao e-commerce, na qual uma operadora financeira autoriza as transações online. 

Esse tipo de sistema funciona como se alguém ficasse conferindo as informações de crédito na loja. No entanto, é totalmente virtual e pode verificar diversos pagamentos de uma só vez, de maneira rápida e segura.

Sendo assim, não se trata de uma forma de pagamento em si, mas de uma ferramenta que integra diversos meios. O Paypal, o PagSeguro e o Mercado Pago também podem ser considerados gateways, porém, devido à relevância, falaremos de cada um separadamente.

6. PAYPAL

O PayPal é uma das formas de receber pagamentos online mais utilizadas em todo o mundo. A plataforma é considerada a mais segura para transações na internet e se destaca pela sua praticidade em integrar diversas formas de pagamento diferentes, como boleto bancário, transferência digital e cartão de crédito de diferentes bandeiras, entre outras. 

Para usá-la, o usuário precisa ter uma conta, que costuma ser tarifada, dependendo do tipo de transação e das condições de pagamento. De qualquer forma, é um dos meios mais utilizados em transações internacionais. Ou seja, se você deseja expandir seus negócios para outros países, é bom considerar aceitar o Paypal em algum momento.

7. PAGSEGURO

Esse é um serviço nacional, bem parecido com o PayPal, e que já ficou bastante popular no Brasil. Aceita diversas formas de pagamento, como transferências e cartões, inclusive com a possibilidade de pagar via celular.

Uma vantagem é que as tarifas do PagSeguro são menores. Em alguns casos, quando se tem outros serviços da empresa, o serviço nem é cobrado ou é ainda mais em conta. Além disso, as transações são bem seguras, tanto para o cliente quanto para o lojista. Para quem está abrindo uma loja virtual, pode ser uma boa opção.

8. MERCADO PAGO

O Mercado Pago começou como a forma de pagamento segura do Mercado Livre. Quando os vendedores da plataforma eram iniciantes ou com baixa reputação, a ferramenta assegurava o pagamento, inclusive com a devolução em caso de não entrega do vendedor.

Devido às facilidades de integração de diferentes formas de pagamento, o Mercado Pago rapidamente se expandiu pela América Latina e passou a ser considerado uma opção no mesmo nível do PayPal e do PagSeguro. 

Essas são algumas das principais formas de se receber pagamentos online. A oferta de cada uma delas em sua loja vai depender de diversos fatores, como tarifas, condições de pagamento e até a quantidade de operações realizadas. 

Mas vale a pena você se informar sobre o assunto e disponibilizar a maior variedade possível. Para entender ainda mais sobre as formas de pagamento para e-commerce, a seguir confira os pontos positivos e negativos de cada modalidade.

SISTEMAS DE INTERMEDIAÇÃO DE PAGAMENTOS

Os sistemas de intermediação de pagamento mais conhecidos no Brasil são o Paypal, o PagSeguro e o Mercado Pago. Essas empresas fornecem um serviço muito útil, pois facilitam a vida de todos que querem vender pela internet.

Os sistemas de intermediação de pagamentos funcionam com um cadastro único, que possibilita que o e-commerce ofereça aos clientes diversas formas de pagamento sem nenhum custo fixo.

VANTAGENS

VELOCIDADE PARA AFILIAÇÃO

Com um cadastro simples e o envio de alguns documentos para o intermediador de pagamento, o lojista já pode começar a oferecer esses sistemas como uma opção de pagamento no comércio eletrônico. Muitas vezes, esses cadastros são concluídos em algumas horas.

GARANTIA DE RECEBIMENTO

Uma vez que a compra foi analisada e que o dono da loja virtual recebeu a confirmação da intermediadora, a mercadoria já pode ser enviada para a casa do cliente. O intermediador garante que o lojista receberá o pagamento, menos as taxas do serviço, em sua conta normalmente em 14 dias.

CONFIANÇA E SEGURANÇA

Esse tipo de sistema de pagamento oferece segurança tanto para o proprietário da loja, que sabe que receberá pela venda, quanto para o consumidor, que pode bloquear o pagamento do lojista até 14 dias após a confirmação da compra caso não receba o que comprou.

APENAS CUSTO VARIÁVEL

Esse sistema de intermediação de pagamento garante que você só terá custo caso faça alguma venda. Em geral, essas empresas não cobram nenhum tipo de anuidade, taxa de adesão ou manutenção. As únicas taxas cobradas são as que incidem em cima das vendas.

RECEBIMENTO INTEGRAL DAS VENDAS RAPIDAMENTE

Para empresas que tenham alguma dificuldade em gerenciar o seu fluxo de caixa, esses sistemas podem ser uma boa alternativa, pois o tempo médio para recebimento das vendas não parceladas é 50% mais rápido do que o dos cartões de crédito.

POSSIBILIDADE DE GRANDES PARCELAMENTOS

Com esses sistemas é possível oferecer para os clientes parcelamentos em até 24x com juros de 1.99% ao mês e continuar recebendo o valor da venda integral (menos as taxas pelo serviço) em 14 dias.

DESVANTAGENS

TAXAS VARIÁVEIS MUITO ALTAS

As taxas cobradas em cima de cada venda são elevadas. Sem dúvida, essas empresas oferecem um serviço que tem o seu valor e que pode ser úteis em muitos casos. Porém, a contratação pode se tornar muito cara e valer a pena a partir de certo volume mensal de vendas.

TAXAS PARA PARCELAMENTO SEM JUROS

A maioria dos sistemas oferece a possibilidade de realizar parcelamento sem juros para o cliente, porém quem paga esses juros são o lojista. Essas taxas são ainda mais elevadas do que as cobradas normalmente. Ou seja, há a possibilidade, mas você está disposto a pagar por isso?

DIFICULTAM O PROCESSO DE VENDA

Na maioria dos casos, o cliente faz todo o processo de compra e cadastro na loja virtual e, quando vai pagar, é redirecionado para o site dos sistemas de pagamento. Lá, muitas vezes, precisa fazer o cadastro novamente. 

Os avanços das empresas de intermediação para tornar a interface mais simples e menos “traumática” são claros, mas, por algum motivo, muitos clientes simplesmente abandonam suas compras quando são direcionados para outro local na hora de efetuar o pagamento.

O QUE É MELHOR NA MINHA LOJA?

Não existe uma resposta certa para essa questão, pois isso dependerá de muitas variáveis. Entretanto, para quem quer começar uma loja virtual rapidamente, o melhor caminho a seguir é, sem dúvida, é optar por um sistema de intermediação de pagamentos. 

Por sua vez, quem já vende com esses sistemas ou quem não tem certeza se vale a pena utilizar os intermediadores, vale a pena refletir um pouco. Um dos indicadores empresariais que mais assusta os empreendedores são os custos fixos. Isso é o que faz a maioria dos lojistas desistirem de oferecer meios de pagamento direto nas suas lojas virtuais.

Para conseguir fazer um calculo e saber qual modalidade de pagamento vale mais a pena para seu negócio, precisamos levantar os seguintes valores:

  • Valor mensal de vendas por cartão de crédito
  • Taxa percentual dos sistemas de intermediação cobrado em cima da venda
  • Quantidade de transações, na planilha abaixo usamos um valor médio de R$ 150 por transação e dividimos o valor vendido por mês por R$ 150
  • Taxa por transação cobrada pelos sistemas de intermediação
  • Taxa percentual das operadoras de cartão cobrada em cima da venda
  • Custos fixos como contratação de gateway de pagamentos ou investimentos em módulos e/ou programadores
  • Um valor mensal para contratar uma empresa de análise de risco

Coloque essas informações em uma planilha simples e verifique quando começa a ser financeiramente vantajoso oferecer meios de pagamento diretos em sua loja. 

Mas não deixe de fazer os seus cálculos e de ver o que é mais vantajoso para a sua loja virtual. Gostou do post? Quer saber mais sobre o assunto? Leia também sobre como criar uma política de privacidade para a sua loja virtual. Esse tema é bem importante para passar mais confiança aos seus consumidores!

Artigo anteriorComo registrar o nome da empresa em 5 passos simples para não errar
Próximo artigoEmissão de nota fiscal para e-commerce com 4 passos + GUIA FISCAL
Marcio Eugênio é especialista em e-commerce, com mais de 13 anos de experiência na área, e sócio-fundador de três empresas focadas em e-commerce. É colunista em diversos portais relacionados a comércio virtual, administração e empreendedorismo, além de contar com vasta experiência em comércio eletrônico. Foi eleito em 2016 como o melhor profissional de e-commerce pela Abcomm, através de votação popular, e é apresentador do maior canal focado em e-commerce do Youtube no Brasil. O Projeto mais recente de Loja virtual é a https://www.monnieri.com.br/ que saiu do zero a um milhão de reais de faturamento em menos de dois anos.

DEIXE UMA RESPOSTA