Modelos de E-commerce: qual o melhor para começar?

Modelos de E-commerce: qual o melhor para começar?

2178
0

O mercado das lojas online está bastante aquecido nos últimos anos. Em grande parte, isso acontece devido à desaceleração do modelo de loja tradicional. Infelizmente, a crise bate à porta de muita gente e de muita empresa.  

Para quem deseja empreender, pode ser bem mais barato fazer negócios em um modelo de e-commerce, ou seja, em plataformas virtuais. Por isso mesmo, diariamente nascem novas lojas online no sistema e-commerce para que mais produtos sejam vendidos.

No entanto, para alcançar o sucesso não é suficiente começar a vender na web de qualquer forma. É preciso adotar estratégias adequadas, inclusive em relação ao tipo de plataforma. Não estamos falando do modelo de negócio na internet, que é muito variado, mas sim das formas como eles podem ser apresentados aos consumidores através de modelos de loja virtual.

Está pensando em abrir a sua loja virtual e não sabe como começar? Calma, nós vamos ajudar! Neste post, você confere os modelos de e-commerce mais utilizados e quais são os tipos de negócios mais apropriados para eles. Continue a leitura e saiba como implantar um e-commerce de forma adequada!

MODELO DE PLATAFORMA GRATUITA

Sem sombra de dúvidas, a plataforma gratuita é o melhor modelo de e-commerce para iniciantes. Se você ainda está meio perdido no mundo da internet, ela pode ser uma boa opção. Muitos consideram esse modelo de e-commerce pouco profissional, pois nada mais é do que montar pequenas lojas virtuais dentro de grandes sites.

Exemplos de e-commerce no Brasil que seguem este formato podem ser vistos em sites como: Mercado Livre e Elo 7. Estas alternativas são boas para quem ainda quer sentir o mercado de vendas online. O custo inicial é baixo e não é necessário investimento em plataformas próprias. No geral, paga-se apenas uma porcentagem pelo valor dos produtos vendidos.

Além do preço mais baixo, a operação nesse tipo de modelo é bem mais simples. Não é necessário contar com um grande time de vendas e nem profissionais de tecnologia da informação para fazer a manutenção da plataforma. Você pode negociar diretamente com o cliente, inclusive em relação ao pagamento e à entrega.

Por sua vez, neste modelo de vendas também não é preciso contar com uma logística muito complicada. Dá para cuidar da entrega de acordo com a necessidade de cada cliente. No entanto, é necessário um alto grau de organização e dedicação, visto que muitas das operações são feitas direta e manualmente.

Apesar de ser gratuito, esse modelo é limitado pelo fato de ser difícil conquistar a credibilidade junto aos clientes. Somente depois de uma boa quantidade de transações bem-sucedidas é que se estabelece uma reputação confiável e que, por consequência, pode aumentar o número de vendas.

MODELO DE PLATAFORMA ALUGADA

Esse tipo de modelo de e-commerce é ideal para quem já dispõe de uma marca consolidada, tem um bom conhecimento sobre o mercado, mas ainda não quer (ou não pode) investir no desenvolvimento de uma loja virtual própria. Trata-se de um modelo bastante simples, em que se paga uma mensalidade para o provedor de serviços, que disponibiliza o seu negócio na internet.

Dessa forma, você será responsável pela escolha de temas, logotipos, preparo de páginas e cadastro de produtos e serviços. O investimento é relativamente baixo, uma vez que quem realiza essas ações é o próprio empresário. No entanto, toda a manutenção é feita pela empresa que oferece o serviço.

Por exemplo, a D Loja Virtual possui 2 tipos de plataformas para e-commerce: a Plus e a Premium. Cada uma delas oferece quatro opções de planos para você escolher qual atende melhor suas necessidades.

Todos os planos possuem suporte por telefone e ticket. Você ainda pode personalizar sua plataforma, escolhendo um layout diferenciado, de acordo com a comunicação visual do seu negócio. Além disso, essas plataformas podem ser integradas com diversos sistemas de gestão, como os ERPs, que facilitam bastante a gestão da loja.

MODELO DE PLATAFORMA PRÓPRIA

É o modelo de e-commerce indicado para os poderosos da venda online ou para quem já tem uma estrutura e uma marca bastante consolidadas. Para criar uma plataforma própria, o empreendedor deve poder investir um pouco mais.

Geralmente este modelo é apropriado para quem já possui um nome e já tem em mente o caminho a ser seguido. Esse é o exemplo de grandes varejistas já estabelecidos, como Ponto Frio, Submarino e Casas Bahia.

O desenvolvimento desse tipo de modelo de e-commerce parte do zero, sendo que a loja virtual pode ser adaptada e integrada a softwares de gestão e outras ferramentas, permitindo também a inclusão de um layout próprio e um alto grau de personalização.

Nos exemplos mencionados, é possível perceber que os e-commerces atuam como uma extensão das redes de lojas físicas dessas empresas. Assim, tanto o layout quanto os produtos seguem a mesma lógica da marca mãe.

Porém, tudo isso tem um preço, e o valor de instalação e desenvolvimento não é algo barato. Para quem escolhe esse modelo de e-commerce, recomendamos ter uma equipe de desenvolvimento, com um programador de plantão. Também é fundamental contar com uma equipe de atendimento comercial, bem como uma logística adequada, ainda que seja terceirizada.

A ESCOLHA DE CADA MODELO DE E-COMMERCE

É importante ter em mente que qualquer modelo de e-commerce inclui um custo, seja ele o de plataforma gratuita, própria ou alugada. Enquanto no primeiro é preciso pagar uma taxa pelos produtos vendidos, nos outros dois há custos com manutenção e com atualizações da plataforma do servidor. A única coisa que se paga uma vez por ano é o domínio.

É bom destacar também que nada impede a utilização de modelos híbridos. Você pode, por exemplo, criar a sua loja em uma plataforma alugada ou própria e vender por meio de outros sites, como o Mercado Livre. Eles funcionam como marketplace, plataformas que reúnem diversos vendedores menores e que, entre outras facilidades, divulgam seus produtos com um alcance bem maior.

De qualquer forma, o comércio virtual é uma ótima maneira de começar ou de expandir negócios. O setor vendeu cerca de R$ 53,2 bilhões em 2018, com um crescimento de 12% em relação ao ano anterior, e deve continuar crescendo bastante nos próximos anos. O fato é que quem ficar de fora desse mercado pode perder boas oportunidades.

Independentemente do modelo de e-commerce escolhido, é importante planejar, tomar decisões acertadas e que caibam no seu bolso. Trace suas metas e estude com calma como entrar para o mundo do comércio eletrônico.

QUAL O MELHOR TIPO DE E-COMMERCE: TUDO TEM UM PREÇO

Como já falamos, cada modelo de e-commerce traz um tipo de despesas mensais. Se você quer saber qual é o melhor tipo de e-commerce para o seu negócio e quer se aprofundar nos custos que uma loja virtual envolve, leia este texto aqui.

Na hora de montar o seu empreendimento de e-commerce, planeje, escolha o modelo que cabe no seu bolso e siga o caminho que julgar ser o mais adequado. Trace suas metas, estude com calma sobre o mercado e sobre como entrar para o mundo do e-commerce, e depois lembre-se: muito trabalho duro. Boas vendas!

Gostou de saber sobre esses modelos de e-commerce? Quer saber mais sobre o assunto? Conheça os 5 principais motivos para implantar um e-commerce.

Artigo anteriorLucro mensal de uma loja virtual: margem, retorno e como calcular
Próximo artigoMinha loja virtual não vende, e agora? Principais motivos e soluções
Marcio Eugênio é especialista em e-commerce, com mais de 13 anos de experiência na área, e sócio-fundador de três empresas focadas em e-commerce. É colunista em diversos portais relacionados a comércio virtual, administração e empreendedorismo, além de contar com vasta experiência em comércio eletrônico. Foi eleito em 2016 como o melhor profissional de e-commerce pela Abcomm, através de votação popular, e é apresentador do maior canal focado em e-commerce do Youtube no Brasil. O Projeto mais recente de Loja virtual é a https://www.monnieri.com.br/ que saiu do zero a um milhão de reais de faturamento em menos de dois anos.

DEIXE UMA RESPOSTA